06/05/2016

Projeto-piloto de segurança bancária nas cidades foi renovado por dois anos

Na última quarta (4), aconteceu uma reunião da Comissão Bipartite de Segurança Bancária, em São Paulo. A Contraf-CUT e a Fenaban acordaram a renovação, por mais dois anos, do projeto-piloto de segurança bancária nas cidades do Recife, de Jaboatão dos Guararapes e de Olinda.

Também foram acordados a implementação do projeto-piloto nas agências bancárias localizadas dentro de shopping centers e, por determinação do Ministério Público de Pernambuco, o estabelecimento de multas aos bancos que descumprirem os dispositivos do projeto.

Tanto o movimento sindical como a Fenaban entendem que o projeto-piloto, conhecido como "Pacto de Recife", deve ser ampliado para todo o Brasil. A ideia é que isso ocorra, inicialmente, para mais duas praças.

O ponto de discordância é que a representante dos bancos defende implementação do mesmo projeto nas novas praças e os representantes dos trabalhadores, a ampliação dos itens de segurança obrigatórios.

O secretário de Assuntos Jurídicos do Sindicato, João Rufino, que é o representante do Nordeste no Coletivo Nacional de Segurança da Contraf, explica que, quando da implementação do projeto-piloto em Pernambuco, foram verificadas fragilidades que precisam ser eliminadas para fortalecer o nível de segurança nas agências.

“Não tem sentido ampliarmos o projeto sem sanar as fragilidades que verificamos. Os itens de segurança que já o compõe inibiram muitas modalidades de investidas criminosas, mas outras estão se consolidando”, afirmou Rufino.

O secretário citou exemplos de dispositivos de segurança que deveriam ser incluídos no projeto-piloto. “Os vidros blindados nas fachadas das agências são essenciais para impedir que elas sejam quebradas com marretas, como tem acontecido com tanta frequência. Também são necessárias a presença de dois vigilantes por pavimento nos postos de trabalho e a colocação de escudos para deixá-los menos vulneráveis a ações dos criminosos”, defendeu Rufino.

Outra proposta da Fenaban que foi rejeitada pelo movimento sindical é defender alterações nas leis municipais de segurança bancária de forma a torná-las similares ao projeto-piloto. Rufino explicou que essa proposta vem em prejuízo dos trabalhadores e clientes dos bancos. “As leis são mais abrangentes e permanentes que o pacto. Além disso, não há qualquer garantia de que o pacto será implementado em todo o país”, relatou o secretário.

Sequestro – Também foi tema de discussão o fato de os bancos estarem demitindo funcionários que são vítimas de sequestro. Rufino apresentou, na reunião, o caso de um tesoureiro em Pernambuco que foi demitido por justa causa pelo Santander por ter entregado o numerário da agência em que trabalhava aos criminosos que fizeram a família dele refém.

“O bancário foi demitido, inclusive, quando estava de licença por sofrer transtornos psíquicos decorrentes do sequestro. Declaramos a Fenaban que não aceitamos essas posturas dos bancos e combinamos de discutir o assunto na próxima reunião”, ressaltou Rufino.

O objetivo dos dirigentes sindicais é incluir, na Convenção Coletiva de Trabalho, dispositivos que protejam esses trabalhadores e seus familiares. A próxima reunião com Fenaban está marcada para 18 de julho.

Compartilhe no
Notícias relacionadas...

Outras notícias...

Expediente:
Presidenta: Suzineide Rodrigues • Secretário de Comunicação: Epaminondas Neto • Conselho Editorial: Suzineide Rodrigues, Epaminondas Neto, Josenildo Santos, Beatriz Albuquerque e Expedito Solaney • Jornalista Responsável: Beatriz Albuquerque  Redação: Beatriz Albuquerque e Brunno Porto • Produção de audiovisual: Kevin Miguel •  Programação Visual: Bruno Lombardi