20/04/2015

Movimentos promovem ações para “descomemorar” aniversário da TV Globo

O aniversário de 50 anos da Rede Globo será “descomemorado” por movimentos sociais, sindicatos, coletivos de juventude e mídia alternativa. Na semana do dia 26 de abril, uma série de atos e debates por todo o país irão questionar o papel da empresa na história política do Brasil, as suspeitas de sonegação de seus impostos e a barreira que ela impõe para a democratização da comunicação.

No manifesto “50 anos da TV Globo: vamos descomemorar!”, as entidades afirmam que o grupo midiático atuou no apoio à ditadura militar - e foi beneficiada por isso -, e “na fase recente, a TV Globo militou contra todo e qualquer avanço mais progressista, atuando na desestabilização dos governos que não rezam integralmente a sua cartilha. Nas marchas de março desse ano, ela ajudou a mobilizar o anseio golpista e garantiu a ele todos seus holofotes”.

Estão entre as organizações que assinam o manifesto o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a União Nacional dos Estudantes (UNE), o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), o Centro de Estudos Barão de Itararé, o Fora do Eixo e o Brasil de Fato.

Em São Paulo uma manifestação está programada para o dia 26, domingo, às 15h, com concentração na Praça General Gentil Falcão. Um evento no Facebook foi criado para convocar as pessoas para a ação, chamado “ATO FORA GLOBO - 50 anos de mentira!”. Na mesma data, acontecerá o ato de Porto Alegre, a partir das 14h, nos Arcos da Redenção. O evento que convoca a ação no Facebook é o “FORA GLOBO/RBS! A festa acabou: 50 anos de mentira!”.

Detenção em protesto - Na última terça-feira (14), um protesto na Câmara dos Deputados, em sessão solene que homenageava os 50 anos da Rede Globo, terminou com a detenção do repórter do Brasil de Fato Pedro Rafael Vilela, além de outras duas pessoas. De acordo com o jornalista, “o objetivo [da ação] era estender, silenciosamente, uma faixa que dizia ‘A verdade é dura, a Rede Globo apoiou a ditadura’. É necessário ‘descomemorar’ o aniversário da Globo, pois ela beneficiou o regime militar e se beneficiou dele, representante hoje a concentração de riqueza e de poder”.

Vilela, que também é integrante do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, explicou: “Não queremos o fim da Rede Globo. Queremos pluralidade de ideias e diversidade da mídia, além de políticas públicas que incentivem e não criminalizem as mídias livres e comunitárias”. 

Leia na íntegra o manifesto:

50 ANOS DA TV GLOBO: VAMOS DESCOMEMORAR!

A TV Globo festejará os seus 50 anos de existência no dia 26 de abril. Serão promovidos megaeventos e lançados vários produtos comemorativos. No mesmo período, porém, muita gente está disposta a promover a “descomemoração” do aniversário do império global, um ato de repúdio ao papel nocivo desse grupo de mídia na história do país. Uma palavra-de-ordem que se destaca em todo o Brasil em manifestações recentes é: “O povo não é bobo. Fora Rede Globo”. E motivos não faltam para esta revolta.

A emissora é filha bastarda do golpe militar de 1964. O então diretor do jornal “O Globo” Roberto Marinho foi um dos principais incentivadores da deposição do presidente João Goulart, dando sustentação ideológica à ação das Forças Armadas. Um ano depois, foi fundada a sua emissora de televisão, que ganhou as graças dos ditadores. O império foi construído com incentivos públicos, isenções fiscais e outras mutretas. Os concorrentes no setor foram alijados, apesar do falso discurso global sobre o livre mercado.

Nascida da costela da ditadura, a TV Globo tem um DNA golpista. Apoiou abertamente as prisões, torturas e assassinatos de inúmeros lutadores patriotas e democratas que combateram o regime autoritário. Fez de tudo para salvar o regime dos ditadores, inclusive omitindo a jornada das Diretas Já na década de 80. Com a democratização do país, ela atuou para eleger seus candidatos – os falsos “caçadores de marajás” e os convertidos “príncipes neoliberais”. Na fase recente, a TV Globo militou contra toda e qualquer avanço mais progressista, atuando na desestabilização dos governos que não rezam integralmente a sua cartilha. Nas marchas de março desse ano, ela ajudou a mobilizar o anseio golpista e garantiu a ele todos seus holofotes.

A revolta contra a Globo que ganha corpo está ligada também à postura sempre autoritária diante dos movimentos sociais brasileiros. As lutas dos trabalhadores ou não são notícia na telinha ou são duramente criminalizadas. A emissora nunca escondeu o seu ódio ao sindicalismo, às lutas da juventude, aos movimentos dos sem-terra e dos sem-teto. Através da sua programação, não é nada raro ver a naturalização e o reforço ao ódio e ao preconceito. Esse clima de controle e censura oprime jornalistas, radialistas e demais trabalhadores da empresa, que são subjugados por uma linha editorial que impede, na prática, o exercício do bom jornalismo, servidor do interesse público, em vez da submissão à ânsia de poder de grupos privados.

Além da sua linha editorial golpista e autoritária, a Rede Globo – que adora criminalizar a política e posar de paladina da ética – está envolvida em inúmeros casos suspeitos. Até hoje, ela não mostrou o Darf (Documento de Arrecadação de Receitas Federais) do pagamento dos seus impostos, o que só reforça a suspeita da bilionária sonegação da empresa na compra dos direitos de transmissão da Copa do Mundo de 2002. A falta de transparência do império em inúmeros negócios é total. Ela prega o chamado “Estado mínimo”, mas vive mamando nos cofres públicos, seja através dos recursos milionários da publicidade oficial ou de outros expedientes mais sinistros.

Essas e outras razões explicam o forte desejo de manifestar o repúdio à TV Globo em seu aniversário de 50 anos. Assim, vamos realizar em torno do dia 26 de abril uma série de manifestações, em todo o país, para denunciar a emissora como golpista ontem e hoje; exigir a comprovação do pagamento de seus impostos; e reforçar a luta por uma mídia democrática no Brasil.

Sem enfrentar o poder e colocar limites à maior emissora do Brasil – e uma das cinco maiores do mundo – não será possível garantir a regulamentação dos artigos da Constituição que proíbem o monopólio para levar a cabo a democratização do país. Por isso, vamos às ruas contra a Globo e convidamos todos os brasileiros comprometidos com a democracia, a liberdade de expressão, a cultura nacional, o jornalismo livre e a soberania popular a participar das manifestações em todo o país.

Assinam (em ordem alfabética):

  • ANPG – Associação Nacional de Pós-Graduandos
  • Associação Franciscana de Defesa de Direitos e Formação Popular
  • Blog da Cidadania
  • Blog Maria Frô
  • Blog O Cafezinho
  • Blog Viomundo
  • Brasil de Fato
  • Campanha por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político
  • Centro de Estudos Barão de Itarare
  • Consulta Popular
  • Contracs – Confederação Nacional dos Trabalhadores no Comércio e Serviços
  • CTB- Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil
  • CUT- Central Única dos Trabalhadores
  • Enegrecer- Coletivo Nacional de Juventude Negra
  • FNDC- Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação
  • Fora do Eixo
  • FUP- Federação Única dos Petroleiros
  • Intersindical Central da Classe Trabalhadora
  • Intervozes
  • Jornal Página 13
  • Juventude do PT
  • Juventude Revolução
  • Levante Popular da Juventude
  • MAB- Movimento dos Atingidos por Barragens
  • Marcha Mundial das Mulheres
  • Movimento JUNTOS!
  • MST- Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra
  • MTST- Movimento dos Trabalhadores Sem Teto
  • Nação Hip Hop Brasil
  • Sindicato dos Professores de Campinas (Sinpro)
  • Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
  • UBM- União Brasileira de Mulheres
  • UJS- União da Juventude Socialista
  • UNE- União Nacional dos Estudantes
  • Uneafro-Brasil
  • Vermelho

Compartilhe no
Notícias relacionadas...

Outras notícias...

Expediente:
Presidenta: Suzineide Rodrigues • Secretária de Comunicação: Daniella Almeida • Conselho Editorial: Suzineide Rodrigues, Daniella Almeida, Adeílton Filho e Epaminondas Neto • Jornalista Responsável: Micheline Américo  Redação: Beatriz Albuquerque e Ingrid Elihimas • Coordenação, Supervisão e Produção de audiovisual: Tempus Comunicação •  Programação Visual: Bruno Lombardi