05/07/2011

Dia Nacional de Mobilização da CUT abre nesta quarta 2º semestre de lutas

A CUT promete uma onda vermelha pelas ruas do país. Trata-se do Dia Nacional de Mobilização, neste quarta-feira, 6 de julho, e que iniciará as lutas do segundo semestre pelo emprego decente: manutenção e ampliação dos direitos dos trabalhadores bem como aumentos reais de salários.

Em Pernambuco, o ato acontece a partir das 9h na Praça Osvaldo Cruz, bairro da Boa Vista, em Recife. Os manifestantes das mais diversas categorias partirão em caminhada pelas ruas da capital. Antes, às 8h, os professores se reúnem na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Pernambuco (Sintepe), também no Recife, para realizar uma plenária. A seguir, irão se juntar à marcha. Os mesmo ocorre em Goiana, Mata Norte do Estado, onde os servidores municipais também realizarão panfletagem.

De acordo com Artur Henrique da Silva, presidente nacional da CUT, mesmo sendo a eleição da presidenta Dilma Rousseff uma vitória para os movimentos sociais, há uma responsabilidade dobrada, principalmente com as diversas contradições dentro do próprio governo.

"O mandato começou com o discurso para desqualificar a política de valorização do salário mínimo e seguiu como a defesa do corte de R$ 50 bilhões no orçamento para controlar a inflação por meio da redução do investimento. Nenhuma palavra sobre a mudança na política macroeconômica, sobre a redução de juros e, pior, sem debate, discussão ou articulação com os trabalhadores", afirmou o dirigente.

O Dia Nacional de Mobilização é promovido pela CUT em conjunto com o Movimento Social e Popular, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a Marcha Mundial das Mulheres (MMM) e Central de Movimentos Populares (CMP).

Serão defendidas bandeiras como a desconstrução do argumento de que aumento salarial gera inflação, o fim do imposto sindical, o combate à precarização e à terceirização do trabalho, o fim do fator previdenciário, a redução da jornada de trabalho para 40 horas - sem a redução de salários -, ampliação da reforma agrária e políticas agrícolas, a aprovação do Plano Nacional de Educação com previsão de 10% do PIB, reforma política e financiamento público de campanha e reforma tributária para que, como diz o mote da campanha, "quem ganha mais, paga mais. Quem ganha menos, paga menos".

"Queremos ver nossa gente, nossa pauta sendo debatida. Para isso, precisamos colocar a CUT nas ruas e o dia 6 de Julho é fundamental nesse processo", convoca Artur Henrique.

Compartilhe no
Notícias relacionadas...

Outras notícias...

Expediente:
Presidenta: Suzineide Rodrigues • Secretário de Comunicação: Epaminondas Neto • Conselho Editorial: Suzineide Rodrigues, Epaminondas Neto, Josenildo Santos, Beatriz Albuquerque e Expedito Solaney • Jornalista Responsável: Beatriz Albuquerque  Redação: Beatriz Albuquerque e Brunno Porto • Produção de audiovisual: Kevin Miguel •  Programação Visual: Bruno Lombardi